quinta-feira, 1 de outubro de 2015

O trânsito de FORTALEZA: "Nenhuma VIA foi aberta na CIDADE", denuncia GELSON



"Eu trago a esta Tribuna, senhor Presidente, mais uma vez, a preocupação, que deve ser de todos, e que está estampada no Editorial do Jornal O Povo de hoje. O título do artigo é “LÓGICA INVERTIDA NO TRANSPORTE PÚBLICO”. Nós já vínhamos denunciando esta situação há algum tempo aqui na Câmara, de que a cidade de Fortaleza não suporta mais a carga de veículos que circula todos os dias pelas nossas ruas.

A notícia de que ultrapassamos a casa dos 580 mil veículos com emplacamento em Fortaleza é a
prova de que estamos pagando e ainda vamos sofrer ainda mais as duras consequências da falta de planejamento urbano. 
Somados às dezenas de milhares de veículos com placas de outros municípios que adentram aqui todos os dias, temos uma fórmula do caos. Estima-se que cerca de 650 mil automóveis congestionam as nossas vias. E este crescimento, que eu prefiro chamar de descontrole, é inversamente proporcional aos investimentos do Poder Público na abertura denovas vias ou na duplicação daquelas existentes.

Salvo o esforço para a construção de viadutos e alguns túneis, que apenas são paliativos, praticamente nenhuma nova via foi aberta na cidade. O último registro de novas vias, com considerável impacto no trânsito, é da época do Prefeito Juraci Magalhães. De lá pra cá, eu pergunto aos senhores e senhoras: quantas novas avenidas foram abertas? Quantas novas rotas foram disponibilizadas para desafogar esse caos do trânsito? Quem lembrar de alguma nova via, por favor me socorra aqui.

Lá se vão quase 13 anos desde a última avenida aberta, a Benjamim Brasil, que ligou as avenidas
Bernardo Manuel e Godofredo Maciel. E pronto. 
Há um agravante nesta situação toda: o encurtamento das já combalidas vias com a implantação de faixas exclusivas para ônibus e as ciclovias. Mas observem, senhores e senhoras, que apesar de particularmente eu louvar estas iniciativas do Prefeito Roberto Cláudio, com exceção do corredor central da Av. Bezerra de Menezes, os demais investimentos em faixas exclusivas se resumiram a três elementos: PINCEL, TINTA e FOTOSSENSORES.

Então se prioriza o sistema de transporte de passageiros, o que está absolutamente correto, mas não
se duplica vias; não se abrem novas avenidas e ruas, preparadas, planejadas para receber os ônibus em suas faixas exclusivas. Então o efeito disso, que eu chamo de fórmula do caos, foi o seguinte: RUAS E AVENIDAS JÁ ESTAGNADAS PELO INTENSO TRÁFEGO + PINTURAS DE FAIXAS PARA O TRANSPORTE + PINTURAS DE CICLOFAIXAS = CIDADE PARADA.

Observe senhor Presidente, que até mesmo as ciclo faixas, a exemplo do que foi feito na cidade
de São Paulo, apenas demarcaram com tinta o espaço para os ciclistas, o que põe em risco até a vida dessas pessoas. Não se construiu ciclo faixas, como fez Juraci Magalhães no canteiro central da Avenida Bernardo Manuel ou o Governador Tasso Jereissati, no canteiro central da Av. Washington Soares e CE-060. As faixas são apenas pinturas no asfalto.

Eu sei que o que digo vai causar polêmica, mas é a verdade. O fluxo de veículos na Aldeota e
Centro, por exemplo, ficou espremido, reduzido. 
Ah, mas o argumento é o de desestimular mesmo o uso de automóveis, que andam ali com apenas um passageiro, etc. Mas, senhoras e senhores, esta não é a realidade da nossa cidade. Não temos transporte público nem suficiente, nem eficiente, nem atrativo, para estimular o cidadão, que tem que se descolar de um lado para outro a utilizá-lo. Nossos ônibus são, ainda, um grande improviso, carentes de planejamento, de novas linhas, de trabalhadores mais preparados, de terminais de transbordo realmente humanizados.

Se a ideia com a implantação das faixas super fiscalizadas por fotossensores foi a de desestimular
o uso do automóvel ou de organizar o fluxo dos ônibus, falhou duplamente. Primeiro porque os fortalezenses não deixaram de usar os seus carros aos montes. E depois porque os próprios ônibus não respeitam a sua faixa exclusiva, invadindo constantemente o espaço reservado aos automóveis, caminhões, motos etc.

E há um sinal importante de que uma parte dessas faixas exclusivas, em avenidas como a Perimetral, por exemplo, está repleta de buracos, lama e obstáculos, como carros estacionados, cones, entulhos, etc. Então não está tudo funcionando a contento. Infelizmente não. E para piorar a situação e nos tirar as esperanças, conseguimos financiamento do Governo Federal para a construção de uma grande ponte estaiada. Uma daquelas belezuras que temos em Brasília, Manaus e Aracaju. Mas a decisão altamente planejada e eficiente do Governo do Estado, foi a de construí-la ali por trás da Unifor, ligando o Centro de Eventos à Cidade Fortal. Eu chamo de ponte da ilusão.

Não consigo nem fazer mais ironia com esta proposta absurda, que não recebeu nenhum protesto por parte da Prefeitura. E até sugeri, em pronunciamento e através de um requerimento, que esta ponte fosse construída sobre o Rio Cocó ligando a Av. Raul Barbosa à Av. Rogaciano Leite, para desafogarmos o imenso trânsito de quem se desloca da Zona Sul até a Aldeota. Fluxo este que não será resolvido com a construção do viaduto. Mas devemos mesmo receber a tal ponte ligando nada a
lugar nenhum. Por fim, senhor Presidente, eu volto a rogar à Prefeitura, ao IPLANFOR, enfim, a alguém da Gestão que possa começar a pensar e planejar a implantação de um rodízio de veículos em
determinadas áreas da cidade.

Fortaleza não pode mais se furtar deste debate. O Rodízio de veículos deve ser considerado com
urgência. 
Estas são as minhas colocações por hoje, senhor Presidente, na esperança de que possamos começar a tratar todas as questões aqui colocadas com a seriedade e com a verdade que o tema necessita. Chega de improvisos. Chega de imitações. Precisamos planejar e realizar para a posteridade, como fizeram alguns gestores de décadas atrás. Aliás, eu fui contemporâneo da gestão do Dr. Juraci Magalhães e lembro bem de como ele foi criticado por ter aberto tantas avenidas na cidade. Mas certamente a realidade de hoje faz justiça ao que ele pensou para a cidade.

Menos tinta, novas opções para o trânsito e para o transporte. Por um trânsito mais humanizado e menos relegado à própria sorte. Obrigado".



quarta-feira, 30 de setembro de 2015

GELSON faz homenagem aos SOLDADOS brasileiros

A celebração pelo Dia do Soldado, 25 de Agosto, não passou desapercebido na Câmara Municipal de Fortaleza.

Vereador GELSON, foi à tribuna, diante de um corpo ímpar de militares para saudar as Forças Armadas. A sessão Solene também contou com o aniversário de 73 da 10ª Região Militar.

Acompanhe o discurso.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

GELSON no PACTO por FORTALEZA em AÇÃO

O vereador GELSON, como presidente da COMISSÃO de TURISMO, da Câmara Municipal é um dos defensores da ampliação das possibilidades de se fazer turismo em Fortaleza. Além das belas praias, há os belos endereços históricos e culturais da região central.

Um passeio foi realizado pelos parlamentares: Theatro José de Alencar, Passeio Público e Praça dos Leões foram alguns equipamentos ricos em tradição apresentados para fazerem parte de um roteiro.

Aliás, o tema do vídeo homenageia a Praça do Ferreira, ponto de encontro dos fortalezense e, claro, dos visitantes, ainda em meados do século passado.

Música: Praça do Ferreira
Autor: Gordurinha