quinta-feira, 8 de julho de 2010

Política da Fé - Planejamento urbano



Fortaleza (CE) – Aconteceu recentemente na capital cearense o primeiro encontro do projeto “Pacto por Fortaleza: a cidade que queremos até 2020”, quando um assunto ganhou destaque por ter aparecido nas discussões dos cinco grupos temáticos: a inexistência de um órgão municipal de planejamento urbano. 
No entanto, o vereador Gelson Ferraz (PRB) conseguiu aprovar na Câmara da cidade uma indicação sugerindo a recriação do Instituto de Planejamento do Município (Iplam), extinto em 1999. 
A professora Maria Elizabeth Pinheiro Moreira, da Universidade Federal do Ceará, que é especialista em transporte urbano, disse no encontro que em função da falta de um órgão de planejamento, nas últimas décadas Fortaleza experimenta um crescimento desordenado. 
Segundo Ferraz, o planejamento urbano da cidade deveria ser prioridade. 
Em março ele organizou uma audiência no auditório da Câmara para discutir o assunto. “Observei que todos os comentários que os colegas vereadores fizeram tinham relação com o Iplam. 
São problemas no trânsito da cidade, acidentes envolvendo carros e motos, tudo isso pode ser resolvido com planejamento. 
A criação desse órgão é urgente e indispensável”, afirmou. 

Fale com o vereador
gelson_ferraz@vereador.cmfor.ce.gov.br



Edição Nº 952 - Folha Universal / 
Brasil, 8 de Julho de 2010

Abertura da 5ª ExpoEvangélica Fortaleza



Vereador Gelson Ferraz participou juntamente com Pr. Júnior (Responsável do Força Jovem Ceará) da abertura da 5ª ExpoEvangélica Fortaleza, nesta quarta-feira, 07/07. Realizada no Cento de Negócios SEBRAE/CE. Visitaram o stand da Rede Aleluia FM 99,9 e Rádio Uirapuru de Fortaleza AM 760 as rádios mais ouvidas em Fortaleza.


quarta-feira, 7 de julho de 2010

Avaliação do Semestre e Planejamento Urbano - Pronunciamento em 30/06/2010


Senhor Presidente,
Senhoras e Senhores Vereadores,

Eu quero aproveitar o meu pronunciamento de hoje, senhor Presidente, para fazer um pequeno balanço do semestre, acompanhando até algumas falas anteriores, para destacar a realização do Pacto por Fortaleza, direcionando as discussões para um ponto específico.
Nós não vamos nos cansar de reivindicar, de cobrar e de sugerir que a Prefeitura Municipal de Fortaleza possa priorizar a recriação do Instituto de Planejamento do Município.
Nós acompanhamos pessoalmente e através da nossa assessoria parlamentar, as discussões dos eixos temáticos do Pacto e vimos que no apanhar de propostas, todos os relatores incluíram a necessidade de planejamento urbano, ambiental e econômico da Cidade.
Eu faço coro a todos os técnicos, presidentes de entidades da sociedade civil, da comunidade pensante da Academia, que estiveram aqui e chegaram à conclusão de que a falta de planejamento está matando a cidade aos poucos.
Não haverá uma “cidade possível” se o planejamento da cidade foi esquecido, foi colocado de lado.
Eu quero dizer que planejamento é bom e barato. E que se a nossa Prefeita Luizianne, que é uma mulher sensível ao clamor da população e às sugestões da universidade, quando dizem que a recriação do IPLAM é imprescindível, indispensável.
Durante todo este semestre que se encerra. Durante os anos de 2008 e 2009, também, nós estamos tentando chamar a atenção dos senhores e senhoras para a recriação do IPLAM.
Esta não pode ser uma grita de um único parlamentar. Deve ser um clamor de todos os 41 vereadores, do Poder Legislativo.
Se em algum momento pensávamos estarmos sozinho nesta luta, o Pacto por Fortaleza só veio a confirmar que esta é uma reivindicação de todos os campos da urbe.
Precisamos do Planejamento Urbano, Ambiental e Econômico. Nós não vamos abrir mão dessa bandeira.
Eu gostaria de clamar aqui ao nosso Líder da Bancada d Sustentação, para que possa pelo menos me dar um retorno sobre o projeto de indicação que nós aprovamos há dois meses, e que até o momento não foi respondido e nem adotado pelo Poder Executivo.
Não há porque argumentar falta de recursos. Nossos técnicos da Prefeitura, inclusive os Engenheiros, Economistas, Administradores e demais gestores de planejamento, que eram servidores do IPLAM, estão todos espalhados pelas famigeradas Regionais, que não planejam, não executam, que estão de braços atados.
 Quero lembrar que foi pelo trabalho do IPLAM, que a Prefeitura conseguiu preparar a cidade para a chegada do século XXI. Imaginem os senhores, se tivéssemos chegado aos dias de hoje, sem as grandes obras, planejadas pelo IPLAM.
Justamente o que não ocorreu nessa última década. A cidade perdeu a sua cabeça pensante e mergulhou num desordenamento sem tamanho.
E a nossa legislação urbanística está desatualizada, inerte. Aprovamos um Plano Diretor que corre o risco de não sair do papel, porque as normas que gravitam no seu entorno, não foram revistas, não são priorizadas.
Nosso Código de Obras e Posturas beira os 30 anos de vigência. A lei de uso e ocupação do solo está capenga.
Todos os importantes instrumentos de controle da atividade urbana estão à espera de uma decisão, de uma iniciativa que não vem.
Eu repito, como já disse em outras oportunidades, que a atual Secretaria de Planejamento e a Secretaria de Infraestrutura que pensam a cidade. Não planejam de forma adequada.
 A SEINF foi criada para executar obras, fazer projetos, mas pensar a cidade é papel do IPLAM.
Eu quero novamente citar que o projeto que nós aprovamos, cria organismos diferenciados dentro da gestão, com setores como:
·         Divisão de Planejamento Urbano;
·         Departamento de Estudos e Planos Urbanísticos;
·         Divisão de Estudos do Sistema Viário Básico;
·         Divisão de Geo-processamento;
·         Divisão de Estudos e Pesquisas;
·         Unidade de Cadastro e Estatística.
·         E outros.
São servidores que estarão dedicados a  atividades específicas e altamente relevantes.
Nós queremos garantir o debate. Queremos garantir que a sociedade seja ouvida e que a cidade possa ser adequadamente planejada.
Por enquanto é tudo, senhor Presidente, espero que possamos aprovar o projeto, e que em muito breve possamos ter de volta o Instituto de Planejamento do Município.
Esta será a prioridade do nosso mandato para o próximo semestre.
Obrigado pela atenção.

GELSON FERRAZ DESTACA PACTO POR FORTALEZA



O vereador Gelson Ferraz (PRB) fez um balanço, 30/06, na sessão da Câmara Municipal, destacando a idealização do Pacto Por Fortaleza – A Cidade que Queremos até 2020. Ele voltou a cobrar da prefeita Luizianne Lins a recriação do Instituo de Planejamento do Município (IPLAM), cujo projeto de indicação foi aprovado na Casa.
Junto com sua assessoria, Gelson Ferraz acompanhou todos os eixos temáticos do seminário o Pacto em Discussão, no último dia 19. Todos os relatores, acrescentou o vereador, incluíram a necessidade de planejamento urbano, ambiental e econômico da cidade. “Os técnicos, presidentes de entidades da sociedade civil e acadêmicos chegaram à conclusão de que a falta de planejamento prejudica a cidade”, disse.
Gelson Ferraz acredita que Luizianne Lins, sensível ao clamor da população e às sugestões da universidade, acatará o projeto que visa a recriação do IPLAM. Ele lembrou que vem levantando essa bandeira deste 2008 e que em 2009 houve maior emprenho. Agora, segmentos sociais estão sendo envolvidos, porque o grito não pode ser de um só parlamentar. Deve ser o clamor do Poder Legislativo.
O vereador salientou que, se em algum momento pensou que estava sozinho na luta pela recriação do IPLAM, o Pacto por Fortaleza veio confirmar que essa é uma reivindicação da cidade. “Precisamos de planejamento urbano, ambiental e econômico”, frisou. Ele conclamou ao líder da bancada da situação, Acrísio Sena (PT) a dar um retorno sobre o projeto de indicação aprovado há dois meses na Câmara Municipal.



Reportagem de Iran Soares

"CONVENÇÃO ESTADUAL DO PRB CEARÁ - 27/06/2010"




No dia 27 de junho o Vereador Gelson Ferraz, 
Presidente do PRB Fortaleza, participou junto
 com seus correligionários da Convenção Estadual do PRB CEARÁ
no Ginásio do Antigo Colégio Capital.
 Na ocasião foi lançado o nome de Flávio Bezerra - 1000 a uma
vaga na Câmara Federal e Ronaldo Martins – 10.000 
na Assembléia Legislativa.